Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Governo condecora 85 profissionais da ciência, tecnologia e inovação.

O governo federal reativou, por meio do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), a outorga da Ordem Nacional do Mérito Científico e Tecnológico, mais alta honraria concedida pelo poder público a personalidades nacionais e internacionais que contribuíram para o desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação no Brasil. A cerimônia aconteceu nesta quarta-feira (17), no Palácio do Planalto, em Brasília (DF). Foram condecorados pela Unicamp Anibal Vercesi, Lauro Kubota, Oswaldo Luis Alves e Sara Teresina Olalla Saad entre 85 pessoas. A homenagem abrangeu profissionais de áreas como matemática, biologia, saúde, ciências sociais, entre outros setores do conhecimento.

Na ocasião, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, destacou a importância do setor para o desenvolvimento do país. “Esse é um momento muito especial. Ele restabelece uma justa premiação que o Brasil faz para os expoentes das nossas pesquisas que são referentes no mundo inteiro”.

O presidente Michel Temer destacou que a ciência é uma atividade que exige “talento, estudo e perseverança”. Ele ressaltou ainda que ela representa um “poderosíssimo instrumento de progresso” para o país. “A história dos aqui agraciados é de conquistas que devem inspirar a todos. A sociedade só tem a ganhar com as ideias e propostas dos cientistas”, afirmou.



Foto com todos os Agraciados e Autoridades.

Créditos: Presidência da República


A Ordem Nacional do Mérito Científico e Tecnológico foi instituída pelo Decreto nº 772/1993 e se tornou a mais importante condecoração do setor público na área científica e tecnológica. Ela destina-se a homenagear personagens que tenham prestado relevantes contribuições à ciência e se destacado por suas qualidades intelectuais, acadêmicas e morais.

A outorga das medalhas está sendo retomada depois de cinco anos. A última cerimônia deste tipo aconteceu em 2013, com a condecoração de agraciados definidos em 2010.

Os condecorados deste ano foram escolhidos por uma comissão técnica constituída por nove membros designados pelo chanceler, pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) e pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). O grupo selecionou pesquisadores nas áreas de ciências biológicas, biomédicas, da terra, matemáticas, agrárias, química, matemática, da saúde, sociais e humanas, tecnológicas e engenharias.

Há ainda as categorias personalidades nacionais ou estrangeiras, destinadas a premiar pessoas que, embora não sejam cientistas, tenham contribuído para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia no Brasil.

Os membros da Ordem recebem diploma e um conjunto de peças que compõem as insígnias, que podem ser dos graus Grã-Cruz e Comendador. A Ordem Nacional do Mérito Científico e Tecnológico também concede medalha de prata a órgãos e entidades públicas e privadas que tenham prestado serviço de relevância no campo da ciência, tecnologia e inovação.


Investimentos

O ministro também destacou o empenho do governo federal, na figura do presidente da República, Michel Temer, em apoiar o financiamento de grandes projetos de pesquisa científica e tecnológica no país. Isso, segundo ele, retrata a importância que o setor tem na recuperação econômica e na inserção do Brasil no âmbito internacional.

“O senhor mostrou visão, envolvimento com a questão da ciência no Brasil. E, principalmente, sabe que o caminho da retomada do nosso crescimento passa pelo investimento em ciência, pesquisa e inovação”, ressaltou. “Mas precisamos de mais. O objetivo é chegarmos a investir 2% do PIB brasileiro na ciência, na pesquisa e na inovação.”

O ministro destacou três exemplos emblemáticos nos avanços recentes do MCTIC. A construção do acelerador de partículas Sirius, que está em construção no campus do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas (SP); o lançamento ao espaço do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), em maio de 2017; e a recuperação da Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), que deve ser inaugurada em fevereiro de 2019 e servirá de base para cientistas desenvolverem suas pesquisas naquele continente.

By Caius Lucilius- Divulgação MCTI. Posted: Out 18, 2018.



<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco