Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Para ministro, investimento em nanotecnologia pode acelerar desenvolvimento econômico.

O desenvolvimento da nanotecnologia tem potencial para ampliar as oportunidades de crescimento econômico do país, afirmou nesta terça-feira (2) o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, durante o lançamento do Plano de Ação em Tecnologias Convergentes e Habilitadoras, em Brasília.

As tecnologias convergentes e habilitadoras são aquelas capazes de causar mudanças tecnológicas e radicais com potencial para gerar um ciclo acelerado de desenvolvimento. Em breve, o MCTIC também lançará planos de ação voltados a fotônica, materiais avançados e manufatura avançada.



Ministro participa do lançamento do Plano de Ação de Tecnologias Convergentes e Habilitadoras.

Foto: Ascom/MCTIC


Para o ministro, o desenvolvimento da nanotecnologia passa pela união de esforços entre poder público, institutos de pesquisa e setor produtivo. Por isso, o MCTIC assume papel central como articulador de iniciativas que estimulem o setor no Brasil.

“A nanotecnologia está presente em qualquer atividade econômica, nas mais diversas circunstâncias necessárias para o desenvolvimento do país. O ministério tem contribuído muito para promover o desenvolvimento da nanotecnologia no Brasil em parceria com iniciativa privada e academia. Esse encontro é a oportunidade para que possam ser estabelecidas e definidas perspectivas e metas para o futuro”, disse Kassab.

O Plano de Ação de Tecnologias Convergentes e Habilitadoras foi construído a partir da Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (Encti) e tem prazo de execução até 2022. Além das estratégias, o documento define as áreas prioritárias para receber investimentos: saúde e meio ambiente; defesa e segurança pública; energia e mobilidade; agricultura; descoberta inteligente de novos materiais; e mapeamento geológico marinho.

“A nanotecnologia no Brasil é um caso de sucesso e é reflexo do investimento e planejamento de médio e longo prazo. Hoje, podemos dizer que não há gap tecnológico significativo entre o que é feito no Brasil e o que é feito no exterior. Há bastante tempo, o governo federal vem investindo na formação de recursos humanos de primeira linha, montou linhas de pesquisa, comprou equipamentos, criou conhecimento para a segurança em nanotecnologia e, agora, está concentrando esforços para transferir esse conhecimento construído ao longo dos anos para a geração de inovação. E vamos ter um caminho bem pavimentado com esse plano de ação”, destacou o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTIC, Maximiliano Martinhão.

Prova disso, segundo ele, é a formação das redes de centros de inovação em nanodispositivos e nanosensores e de nanomateriais e nanocompósitos criadas no âmbito do Sibratec NANO, iniciativa apoiada pelo MCTIC que aproxima, articula e financia projetos cooperativos entre empresas de diversos portes e 23 instituições científicas e tecnológicas (ICTs) que compõem o SisNano. Além disso, um levantamento feito pelo MCTIC apontou que mais de R$ 149 milhões foram investidos em nanotecnologia por meio da utilização da Lei do Bem, e 179 patentes foram geradas em nanotecnologia desde a formação do SisNano, em 2012.


Alta demanda

Em julho, a Financiadora de Inovação e Pesquisa (Finep) lançou a chamada pública CT-Infra Temático 4/2018, com a nanotecnologia como um de suas linhas temáticas para receber investimentos na modernização de laboratórios que atuam nas áreas de nanofabricação, nanomateriais, nanomedicina, nanotoxicologia, entre outros. Segundo o presidente em exercício da Finep, Ronaldo Camargo, o volume total demandado pelas ICTs superou R$ 400 milhões.

“Esse é um valor que superou em quase 20 vezes o que estamos disponibilizando, que são R$ 25 milhões. Mas é uma prova inequívoca da relevância da nanotecnologia e do avanço expressivo no interesse por trabalhar com essa tecnologia no Brasil”, ressaltou Camargo.


SisNano

No evento, também foi aberto o 3º Workshop do Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologias (SisNano), que reúne os representantes dos laboratórios participantes da iniciativa. O encontro, segundo o coordenador-geral de Desenvolvimento e Inovação em Tecnologias Convergentes e Habilitadoras do MCTIC, Leandro Berti, serve para alinhar estratégias para a atuação concertada dessas unidades.

“Reunir os laboratórios do SisNano é uma oportunidade ímpar para alinhar as estratégias para o futuro e compartilhar experiências que cada um deles está desenvolvendo. Assim, vamos poder traçar as estratégicas para fortalecer a nanotecnologia no Brasil”, explicou Berti.

Criado em 2012 como um dos pilares da Iniciativa Brasileira de Nanotecnologia (IBN), o SisNano é formado por uma rede de unidades direcionada à pesquisa, desenvolvimento e inovação em nanotecnologia e nanociências, de caráter multiusuário e de acesso aberto. É composto por oito Laboratórios Estratégicos vinculados diretamente ao governo federal, que devem disponibilizar ao menos 50% do tempo de uso dos equipamentos a usuários externos; e outros 18 Laboratórios Associados.

ASCOM - MCTIC. Posted: Out 03, 2018.


Nota do Scientific Editor: No conjunto dos Laboratórios SisNano dois deles estão localizados na Unicamp. São eles: Laboratório CCSNano e o Laboratório NanoBioss, coordenados, respectivamente, pelos professores Stanislav Moshkalev e Oswaldo Luiz Alves.


Assuntos Conexos:
A propósito da Nanotecnologia: quando tudo começou no LQES.



<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco