Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

De olho na citotoxicidade dos nanohorns ("nanochifres").

Os nanochifres de carbono de paredes simples (Single Wall Carbon Nanohorns - SWNH) pertencem à família dos nanotubos de carbono de parede única. Batizados como nanohorns, esses nanotubos podem ser produzidos por diversos métodos.

Por apresentarem uma extremidade fechada, tais nanotubos de carbono podem servir para o transporte de medicamentos no interior do corpo humano (DDS, Drug Delivery System), daí, toda a atenção a seu uso, como veículo, é pouca!

Atento a isso, o criador dos nanohorns, professor Eiichi Nakamura, da Universidade de Tóquio (Japão), juntamente com sua equipe de pesquisadores, associou-se à Universidade de Meijo, à NEC e à Japan Science and Technology Corporation para a realização de testes in-vitro dos nanohorns sobre células humanas e de ratos.

O professor Sumio Iijima, da Universidade de Meijo, assumiu a preparação dos nanohorns, sem fazer utilização de catalisadores metálicos. O comprimento dos nanotubos assim preparados está entre 100 e 200 nanômetros, são hidrofóbicos e trazem um grupo amino em uma de suas extremidades.




Modelo 3D de um nanohorn.

Créditos: H. Nakahara and Saito Lab. (Nagoya, Japão)


A fim de poder colocá-los em contato com as células vivas, os pesquisadores, a seguir, criaram uma solução aquosa na qual foram incorporados os nanohorns. Variando os parâmetros, puderam obter diferentes resultados, que os levaram a observar a tendência de os nanotubos de carbono, não metálicos, apresentarem, nos testes in vitro, uma relativa inocuidade. Assim, aparentemente, seriam não-tóxicos para as células.

Não obstante, os pesquisadores se mantêm reservados em relação a uma parte de dados colhidos, em virtude de um problema recorrente de impurezas. Programaram, então, novos testes para corroborar ou não a ausência de toxicidade específica in vitro.

Chemical Week, consultado em 21 de outubro de 2006 (Tradução/Texto - MIA).


Nota do Managing Editor: o artigo, de autoria Hiroyuki Isobe, Takatsugu Tanaka, Rui Maeda, Eisei Noiri, Niclas Solin, Masako Yudasaka, Sumio Iijima, Eiichi Nakamura, foi publicado na revista Angewandte Chemie, International Edition, volume 45, número 40, página 6676, em 2006, com o título: "Preparation, Purification, Characterization, and Cytotoxicity Assessment of Water-Soluble, Transition-Metal-Free Carbon Nanotube Aggregates".

A ilustração apresentada não consta da matéria original, tendo sido obtida em www.google.com.


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco