Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Peixes "sentem na pele" os efeitos da nanotecnologia.

Que a nanotecnologia tenha vindo para ficar, parece ser ponto pacífico. Contudo, é sempre bom ter os olhos abertos para as novidades. Pensando assim, Eva Oberdörster e seus colegas da Southern Methodist University (Texas) realizaram experimentos e apresentaram os resultados em um congresso da American Chemical Society. Foi um balde de água fria no ânimo de muitos adeptos da nanotecnologia!

Também, pudera, - os pesquisadores mostraram que moléculas de carbono quase-esféricas, os chamados fulerenos, quando em uma diluição aquosa de 0,5 partes por milhão, podem provocar na perca da América (peixe acantopterígio, de água doce, da família dos pércidas) danos cerebrais e alterações no fígado. Ao final de 48 horas de exposição, os peixes apresentaram uma taxa de peroxidação lipídica (que permite medir a destruição dos tecidos do cérebro) 17 vezes superior à média e ainda modificações de determinados genes do fígado.

A descoberta dos fulerenos, nos anos 80, causou certa revolução na ciência, oferecendo potenciais de desenvolvimento extremamente interessantes para as nanotecnologias, mormente em domínios de aplicações variadas: eletrônica, lubrificantes, medicamentos. Entretanto, pouquíssimos trabalhos foram conduzidos objetivando medir o impacto desse tipo de composto sobre a saúde humana e o meio ambiente.

Os resultados obtidos com a perca da América trazem preocupações aos pesquisadores. Sabem que prudência é bom, e que deve ser exercitada, pois podem existir riscos. Contudo, lembram que se tratam apenas de estudos preliminares. Verificar a real toxicidade dos fulerenos, certamente está, ou deveria estar, entre os objetivos dos cientistas.

Houston Chronicle, March 29, 2004. (Tradução/Texto - MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco