Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Afinal, devemos ou não ter medo das nanotecnologias?

Que a nanotecnologia vem ampliando, por vezes derrubando mesmo fronteiras da ciência é um fato indiscutível. Mas, nem tudo é absolutamente novo, tanto mais que o termo é aplicado também à criação de novas formas de materiais comuns, a exemplo de moléculas constituídas somente de carbono, arranjadas sob a forma de nanotubos, ou aquelas que levam à transformação de células, com o objetivo de se conceber sistemas microscópicos de diagnóstico.

O papel e importância das nanotecnologias é tal, que todos os cientistas são concordes com que as mesmas, muitíssimo promissoras, mereçam investimentos de C&T bastante significativos. Dentre os que estão de olho na área figura o ETC Group que, cauteloso, acaba de publicar e disponibilizar na web (www.etcgroup.org) um livro consagrado aos eventuais, possíveis riscos gerados pelas nanotecnologias.

A verdade é que os estudiosos, peritos em nanotecnologias, estão atentos. Um dos mais prestigiados fóruns de discussão sobre as nanotecnologias, o Foresigth Institute e, o não menos importante, Center for Biological and Environmental Nanotechnology, da Rice University enfatizam que tal estudo, certamente mediático e alarmista, atrai a atenção do público e de legisladores sobre a questão das possíveis conseqüências tóxicas provenientes das nanotecnologias.

Segundo eles, foi exatamente o ECT Group que não só lançou, mas também conduziu a confrontação bem-sucedida com a Monsanto, quando do debate público sobre as questões éticas relacionadas à criação de plantas transgênicas, cujos grãos eram estéreis.

New York Times, February 03, 2003. (Tradução/Texto – MIA)

<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco