Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
pontos de vista
artigos de revisão

artigos de opinião

editoriais

entrevistas

divulgação geral

divulgação LQES

 
ARTIGOS DE OPINIÃO

Nanotecnologia chega aos produtos de uso comum.

Petroquímicas investem em pesquisa para fazer frente à concorrência. Com o objetivo de estimular um mercado ainda pequeno no Brasil e já pensando em soluções para evitar a concorrência futura das resinas oriundas do Oriente Médio, as petroquímicas nacionais intensificam as pesquisas em nanotecnologia e, cada vez mais, aplicam a tecnologia em produtos de uso comum, como lava-louças e garrafas térmicas.

Esse movimento é liderado pela Braskem e Suzano Petroquímica, que juntas já disponibilizam ao mercado nanocompósitos de PVC, polietilenos (PE) e polipropileno (PP), as principais resinas termoplásticas consumidas no País.

A mais recente novidade é o depósito da primeira patente brasileira em nanotecnologia de PVC feito pela Braskem, no início de maio passado. O produto, que deverá ser utilizado na produção de tubos, conexões e perfis com características superiores, chegará ao mercado em 2008, informa o gerente de inovação e desenvolvimento de mercado e coordenador do projeto nano PVC da Braskem, Luciano Nunes.

Os produtos desenvolvidos a partir da nanotecnologia apresentam propriedades funcionais diferenciadas em relação aos modelos convencionais, como maior rigidez, resistência, transparência, brilho, além de características especiais como ações antibactericida e antifungicida, entre outras.

Esses diferenciais são fruto do investimento das companhias na área de pesquisa e desenvolvimento, o que eleva o custo dos nanocompósitos em relação às resinas tradicionais. Mesmo assim, as petroquímicas analisam como crescente a demanda pela nanotecnologia. Prova disso, destaca o gerente de desenvolvimento de novos produtos da Suzano, Cláudio Marcondes, é o sucesso de vendas das lavadoras semi-automáticas fabricadas pela Suggar com um nanocompósito desenvolvido pela Suzano. "Já recebemos programação de compra da Suggar para o nosso produto antibactericida para os próximos seis meses", revela Marcondes, referindo-se ao polipropileno desenvolvido pela Suzano e cujo preço é aproximadamente 15% superior ao PP tradicional.

Outra empresa que estuda utilizar os nanocompósitos em seus produtos é a Arno. "A empresa já está fazendo testes na linha de liquidificadores e esse acordo deve sair em breve", revela Marcondes. Dessa forma, cada vez mais empresas seguem o caminho adotado pela fabricante gaúcha de garrafas térmicas Termolar de desenvolver produtos a partir de nanocompósitos.


Novidades

A expansão da demanda pela nanotecnologia pode ser notada no número de lançamentos previstos. A Suzano, por exemplo, já desenvolveu dois nanocompósitos e possui estudos para a apresentação de outras três inovações, uma delas em setembro deste ano. "Nosso próximo lançamento será o primeiro produto desenvolvido a partir da nanotecnologia a ser usado pela indústria eletroeletrônica", prevê Marcondes.

"A empresa também já testou um nanocompósito a ser utilizado na fabricação de peças domésticas". Essa tecnologia ainda está em fase piloto e ainda depende da chegada de um equipamento específico que nos permita desenvolver esses produtos", diz o gerente da Suzano. Esse maquinário já foi encomendado e deverá chegar ao Brasil no final de 2008.

A Braskem, além de manter as pesquisas em busca de novos nanocompósitos, aguarda o resultado de testes para anunciar suas novidades na área de nanotecnologia. Uma delas é o uso de polipropileno adicionado a nanopartículas na produção de pára-lamas de caminhões.


Produção

E não é apenas por intermédio da fabricação de produtos que a nanotecnologia brasileira ganha formas. A compra de equipamentos e a construção de unidades produtivas específicas para o segmento também evidenciam a consolidação das nanopartículas como uma das mais promissoras áreas para a atuação das petroquímicas nas próximas décadas.

A Suzano fará em Mauá (SP) uma Unidade Autônoma de Extrusão (UAE), voltada especificamente para a produção de resinas de maior valor agregado. A operação comercial da linha está prevista para 2008, com capacidade de 24 mil toneladas anuais.

A Braskem, por sua vez, iniciará em São Paulo, a partir do próximo ano, a produção comercial de seu nanocompósito de PVC. Em um segundo momento, a empresa deverá utilizar uma de suas unidades principais de vinílicos, na Bahia ou em Alagoas. kicker: A mais recente novidade é o depósito da primeira patente brasileira em nanotecnologia de PVC feito pela Braskem.


Nota do Managing Editor: esta matéria, de autoria de André Magnabosco, foi primeiramente veiculada pelo jornal Gazeta Mercantil, na rubrica Relatório - p. 4, de 30 de julho de 2007.

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco