Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Explorando as novas potencialidades do óxido de grafeno.

O óxido de grafeno (GO) tem sido apontado, nos últimos 10 anos, como um material versátil para as mais variadas aplicações, sobretudo aquelas relacionadas com a área de materiais (condutores térmicos e eletrônicos), graças às suas excelentes propriedades de transporte. Entretanto, suas aplicações não se restringem somente a estas áreas. Novas possibilidades têm sido avaliadas no campo das aplicações biológicas relacionadas, especialmente, com a biocompatibilidade e as interações com diferentes tipos de células.

Tendo em vista, este último aspecto, pesquisadores do Laboratório de Síntese de Nanoestruturas e Interações com Biosistemas (mais conhecido, como NanoBioss/Sisnano), sediado do Instituto de Química da Unicamp, acabam de publicar na revista Current Topics in Medicinal Chemistry o trabalho: "Graphene Oxide: A Carrier for Pharmaceuticals and a Scaffold for Cell" (Bentham Sciences Publishers). O texto discute aspectos como a questão da purificação do óxido de grafeno através da eliminação dos debris oxidados que modificam substancialmente sua química de superficie, por exemplo, alterando seu comportamento frente à hemólise. Outro aspecto tratado no artigo é a possibilidade do GO atuar como um sistema de "drug delivery" para entrega de multidrogas visando terapias contra o câncer.



Suspensões estáveis de GO em água abrem enormes possibilidades para seu uso na interação com biosistemas.

Créditos: Nitronix


Os estudos realizados in vitro apontaram que o GO pode promover a adesão, crescimento e diferenciação celular o que pavimenta uma importante via para o seu uso na pesquisa de células-tronco aplicadas à medicina. Finalmente são tratados aspectos relacionados com o "efeito corona" de proteínas o que nos remete diretamente às importantes questões ligadas a presença das bionanointerfaces.

A plataforma NanoBioss/SisNano desenvolve um robusto programa de pesquisas envolvendo novos carbonos (nanotubos de carbono, óxidos de grafeno, carbon-dots, entre outros) envolvendo síntese e interações com biosistemas dentro da perspectiva de avaliação dos riscos e benefícios destes nanomateriais.

Para ter acesso ao artigo (não faz parte da plataforma Periódicos Capes), clique aqui.


Assuntos conexos:

NanoBioss realiza seu primeiro Workshop de Progresso.


LQES NEWS - ISSN 1677-5058 - Ano XIV - n. 306, 09 de fevereiro de 2015 (OLA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco