Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2020

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Leve como a borracha e moldável como o vidro.

Eis aí um material que se parece com a borracha: por sua leveza, sua flexibilidade e sua plasticidade. Contudo, ele pode também ser duro e se parecer, então, como uma resina muitíssimo resistente. Como o vidro, ele pode ser trabalhado sem fôrma, em uma fase intermediária própria deste material obtido a partir da sílica. O novo polímero desenvolvido pelos pesquisadores do Laboratoire Matière Molle et Chimie (CNRS/ESPCI Paris Tech), de Paris, França, ainda não tem nome de batismo, mas parece já ter um futuro promissor!

A equipe de Ludwik Leibler publicou na revista Science a receita desse novo material orgânico, concebido a partir de ácidos graxos, de resina epóxi e de um catalisador. O objetivo dos pesquisadores era reproduzir as excelentes propriedades mecânicas dos materiais compósitos, esses polímeros termorrígidos, como a baquelite ou as resinas epóxi, sem ter os seus inconvenientes.

Contrariamente aos polímeros termoplásticos (como o poliestireno e o policarbonato), os polímeros termorrígidos não são recicláveis. É preciso dar a eles sua forma definitiva em uma fôrma, pois, sendo sua polimerização irreversível, eles não podem mais ser aquecidos novamente para ser remodelados.

Leibler e seus colegas conseguiram conceber um polímero que pode ser moldável à vontade. Melhor: ele apresenta, como o vidro aquecido, essa passagem progressiva ao estado sólido, que permite moldá-lo sem moldagem (o que não é possível com os polímeros termoplásticos). Materiais tão resistentes quanto as resinas epóxi, mas recicláveis ao infinito, poderiam, pois, ser concebidos, afirmam os químicos.



Novos polímeros obtidos por químicos franceses do Paris Tech.

Creditos: CNRS.


Seu novo polímero pode ser flexível (conservando a memória de uma forma) ou rígido, sem ser quebrável como o vidro. Pode-se executar soldas, consertos..., qualidades muitíssimo interessantes para facilitar a reparação dos compósitos.

Sciences et Avenir (Tradução - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2020 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco