Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Toxicologia das nanopartículas.

O desenvolvimento da utilização industrial de nanopartículas em diversos produtos implica na consideração de possíveis riscos associados a elas. Trata-se, em um primeiro momento, de proteger as pessoas implicadas nestes setores industriais, desenvolvendo as tecnologias que permitam implementar o princípio da precaução, especialmente desenvolvendo técnicas de medida das nanopartículas e estudando a eficácia dos equipamentos de proteção coletivos e individuais. Através dos programas Nanosafe e Nanosafe2 e de suas atividades atuais, o CEA (Comissariado de Energia Atômica francês) contribui fortemente com esse objetivo. [1]



Distribuição de nanotubos no corpo de ratos, tratados com nanotubos de carbono marcados: radiografia de diferentes tecidos de rato (a) fígado; (b) baço; (c) rim; (D-D'-D") pulmões, 24 h após injeção.

Créditos: CEA.


Por outro lado, o perigo potencial para os seres humanos e para o meio ambiente associado às nanopartículas deve ser estudado. Neste contexto, a comunidade científica deve se dotar de conhecimentos básicos sobre as interações entre as nanopartículas e os seres vivos, com a consideração de que esse conhecimento seja prontamente explorável pelo legislador para garantir a proteção dos trabalhadores, dos consumidores e do meio ambiente.

Neste quadro, o CEA está envolvido em numerosos projetos de pesquisa. No IRAMIS (do francês - Institut Rayonnement Matière de Saclay, França), nanopartículas-modelo para os estudos de toxicidade são sintetizadas seja por técnicas de pirólise laser, seja via "chimie-douce" e, em seguida, caracterizadas. Algumas destas nanopartículas são igualmente marcadas com isótopos radioativos [2], a fim de poderem ser detectadas nos organismos vivos com uma grande sensibilidade. Tais nanopartículas são caracterizadas com precisão a fim de que se conheçam seus tamanhos, sua forma, suas propriedades físico-químicas e seu destino nos meios biológicos. Sua toxicidade é testada em diferentes modelos de células, de plantas e in vivo. Todas estas investigações têm sido objeto de publicações em revistas científicas e se integram nas redes nacionais e internacionais [3] de pesquisa.


[1] Projetos Nanosafe: "Safe production and use of Nanomaterials"

[2] Síntese de nanotubos marcados com carbono 14 para estudos de biodistribuição

[3] "International Consortium for the Environmental Implication of Nanotechnology"

IRAMIS/CEA (Tradução - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2019 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco