Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2020

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

O porquê da aderência dos "geckos" (lagartos).

O "gecko" é um pequeno lagarto (lagartixa) cuja capacidade de "escalar" as paredes (e andar no teto) e a inteligência fascinam biólogos e físicos. Esta aderência foi estudada e, em parte, explicada por numerosos trabalhos. Não obstante, uma publicação recente mostra que se o animal é tão ágil, é porque tem os pés engordurados!

As solas adesivas do gecko são um hobby de especialistas da biomimética, disciplina que se inspira na natureza para desenvolver novas ferramentas e materiais. Este é o próprio exemplo de uma transferência de tecnologia, quase saída da vida selvagem para o laboratório. O estudo publicado na revista Interface, da Royal Society, por uma equipe da Universidade de Akron, no Ohio (EUA), bem poderia levantar o último véu sobre um fenômeno cada vez melhor compreendido.

Muitos estudos buscaram explicar essa aderência excepcional: desfeita e renovada até vinte vezes por segundo, a cada passo do réptil. Todos demonstraram que a astúcia, "o truque" reside na floresta de pelos microscópicos, as sétulas, que recobrem a parte posterior de suas patas.



As famosas solas adesivas do gecko são formadas de laminazinhas que parecem centenas de milhares de pelos microscópicos, as sétulas.


Créditos: Ali Dhinojwala/Universidade de Akron.


Cada pelo vai, de fato, interagir em escala nanométrica com o suporte, podendo suportar uma fração (muito pequena) do peso do lagarto, graças às forças de Van-der-Waals, responsáveis pela atração entre moléculas. A ação acumulada de milhões de pelos vai permitir ao animal efetuar suas acrobacias. E, tem mais: um único dedo é suficiente para o gecko se manter suspenso no teto.


Se o "Homem Aranha" fosse um "Homem Gecko", deixaria impressões "digitais"...

As tecnologias oriundas desse princípio, chamado "aderência seca", estão sendo testadas em laboratório. Elas darão, talvez em breve, adesivos superpotentes, autocolantes reutilizáveis sem fim, ou, como último sonho, uma combinação de super-heróis que poderiam escalar facilmente não importa que tipo de superfície...

Mas se a aderência pode ser, em parte, reproduzida - graças aos pelos sintéticos feitos em polipropileno ou nanotubos de carbono -, dificuldades precisam ser ainda transpostas para se fazer tão bem quanto os animais vivos: as patas do gecko são, além disso, autolimpantes e conservam suas propriedades sobre qualquer superfície, limpa ou suja.

Observando atentamente o pequeno réptil, Ping Yuan Hsu e seus colegas perceberam que, andando, o animal deixava traços. Intrigados, os pesquisadores analisaram a substância depositada e se deram conta de que o gecko tinha pés engordurados! As laminazinhas unidas às sétulas sob as patas produziam um líquido gorduroso, contendo principalmente fosfolipídeos que "banham" os pelos adesivos.

Para os pesquisadores, este é o pequeno plus que explica a capacidade do gecko - sobre superfícies rugosas, empoeiradas ou úmidas -, de "desgrudar" e "grudar" de novo, facilmente, suas estranhas patas, nunca caindo.



O gecko (Gecko gecko) Diego, utilizado nos experimentos, deixa suas "impressões digitais" bem visíveis no suporte negro: traços de dedos claros, no alto, à direita.

Créditos: Ping Yuan Hsu/University of Akron.


A descoberta desta pequena secreção altera profundamente os modelos teóricos de uma aderência "seca". O princípio, integrado às pesquisas já existentes, refinará o desenvolvimento de materiais biomiméticos, tornando-os ainda mais próximos do exemplo natural e, portanto, com maior performance.

Futura Science (Tradução - MIA).


Nota do Scientific Editor: o trabalho: "Direct Evidence of Phospholipids in Gecko Footprints and Spatula-substrate Contact Interface Detected using Surface-sensitive Spectroscopy", que deu origem a essa notícia é de autoria de Ping Yuan Hsu, Liehui Ge, Xiaopeng Li, Alyssa Y. Stark, Chrys Wesdemiotis, Peter H. Niewiarowsk e Ali Dhinojwala, tendo sido publicado, on-line, no Journal of Royal Society Interface, de 24 de agosto de 2011, DOI:10.1098/rsif.2011.0370.


Assuntos Conexos:

Nanotecnologia "pega carona" nas habilidades dos gecos.


<< voltar para novidades

 © 2001-2020 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco