Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2020

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Ligação entre o grafeno e o irídio : experimental e teoria estão de acordo.

O grafeno é um cristal bidimensional constituído de uma única camada de átomos de carbono, ordenados segundo uma estrutura hexagonal plana. Ele foi isolado pela primeira vez, em 2004, por Andre Geim, do Departamento de Física, da Universidade de Manchester. Esta descoberta foi recompensada em 2010 com o Prêmio Nobel de Física. Em relação ao aço, uma folha de grafeno é seis vezes mais densa, duas vezes mais dura e 13 vezes mais rígida frente ao dobramento. Na sua superfície os elétrons se deslocam a uma velocidade maior que em qualquer outro material.

Um método bastante difundido consiste em produzir o grafeno diretamente sobre superfícies metálicas. Como o grafeno possui ligações químicas fortes com numerosos metais, a etapa final de destacá-lo destes últimos, a fim de isolá-lo, pode levar à sua destruição. Uma equipe da Universidade de Colônia (Alemanha), em cooperação com pesquisadores de Jülich (Renânia do Norte-Westfália, Alemanha), Zagreb (Croácia) e Grenoble (França) descobriu que este efeito não se produz quando o metal utilizado é o irídio.



Microscopia de Tunelamento com Varredura (STM) do grafeno sobre o metal irídio, plano (111).

Créditos: University of Cologne.


De fato, os pesquisadores conseguiram medir a distância de ligação entre o grafeno e o irídio, com uma precisão representando um centésimo do átomo. Puderam constatar que essa distância é bem maior que para outros metais, daí uma ligação química mais fraca entre os dois componentes. Tais medidas foram realizadas, em grande parte, no European Synchrotron Radiation Facility (ESRF), em Grenoble.

Os resultados experimentais foram confirmados por cálculos teóricos da interação fraca de Van-der-Waals, principal responsável pela ligação entre o grafeno e o irídio. Os cálculos foram realizados no supercomputador JUGENE, do Centro de Pesquisa de Jülich, e permitiram, pela primeira vez, descrever corretamente, do ponto de vista teórico, a ligação grafeno/irídio.

Universidade de Colônia (Tradução - MIA).


Nota do Scientific Editor: o trabalho: "Graphene on Ir(111): Physisorption with Chemical Modulation", que deu origem a essa notícia é de autoria Carsten Busse, Predrag Lazi", Rabie Djemour, Johann Coraux, Timm Gerber, Nicolae Atodiresei, Vasile Caciuc, Radovan Brako, Alpha T. N'Diaye, Stefan Blügel, Jörg Zegenhagen e Thomas Michely, tendo sido publicado no periódico Physical Review Letter, volume 107, número 3, 036101 (2011), DOI: 10.1103/PhysRevLett.107.036101.


Assuntos Conexos:

Hot Tema - Grafeno.


<< voltar para novidades

 © 2001-2020 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco