Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Como as nanopartículas são tóxicas?

Com o rápido crescimento de produtos baseados em nanotecnologia, pesquisadores, fabricantes, reguladores e consumidores estão mais e mais preocupados com sua segurança e impacto ambiental. Para ajudar a resolver este problema, a ISO (International Organization for Standardization) publicou uma Norma Internacional para apoiar testes de toxicidade por inalação de nanopartículas. O potencial da nanotecnologia é extraordinário e suas aplicações apresentam uma gama ampla de aplicações ligadas à medicina, beleza, informática, materiais avançados e mesmo alimentos. Mas, como uma tecnologia relativamente nova, os cientistas têm ainda muito que aprender sobre as nanopartículas.

O Dr. Peter Hatto, presidente da comissão que desenvolveu a norma, explica: "Com a rápida expansão das aplicações da nanotecnologia vem um risco crescente de exposição a substâncias potencialmente tóxicas, especialmente para os trabalhadores das indústrias baseadas em nanotecnologia. Além disso, se as nanopartículas forem aerotransportadas, quando liberadas por produtos, o público em geral também poderá ser afetado. Garantir a segurança dessas partículas é, portanto, fundamental para o bem-estar dos trabalhadores e consumidores".

Testes cuidadosamente monitorados são usados para estabelecimento da toxicidade por inalação de nanopartículas no ar. A nova norma, ISO 10808:2010 - Nanotechnologias - "Characterization of nanoparticles in inhalation exposure chambers for inhalation toxicity testing", ajuda a assegurar que os resultados de tais testes são confiáveis e harmonizados em nível mundial.

Dr. Hatto acrescenta: "A fim de testar a toxicidade por inalação, é necessário monitorar a concentração, tamanho e distribuição de tamanho de partículas em nanoescala, em uma câmara de inalação. Os métodos tradicionais usados em outras áreas são considerados insuficientes para testar nanopartículas, uma vez que parâmetros específicos como área superficial ou número das partículas, podem ser determinantes cruciais para a toxicidade. A ISO 10808 considera as características particulares e os riscos potenciais das nanopartículas, sendo, portanto, uma vantagem importante para a indústria."




O Comitê Técnico ISO/TC 229 está trabalhando na normatização de vários aspectos ligados às nanotecnologias.

Créditos: ISO.


A ISO 10808 estabelece uma bateria de câmaras de monitoramento de testes de toxicidade por inalação, incluindo um sistema de análise de mobilidade diferencial (DMAS), para determinação do número de partículas, tamanho, distribuição de tamanho, área superficial e a dose (em massa) estimada, bem como a análise morfológica por microscopia eletrônica de transmissão (TEM) ou microscopia eletrônica de varredura (MEV) equipado com um analisador de energia dispersiva de raios-X (EDXA) para composição química.

A ISO 10808:2010, Nanotecnologias - "Characterization of nanoparticles in inhalation exposure chambers for inhalation toxicity testing", foi desenvolvida pelo Comitê Técnico ISO/TC 229, Nanotecnologias, e está disponível aos membros da ISO, a partir de institutos nacionais que, no caso do Brasil, é a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

ISO (Tradução - MIA).


Assuntos Conexos:

Primeira Reunião Internacional sobre Normalização das Nanotecnologias


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco