Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Nanoarmadilhas em águas turvas.

Já presentes nos cosméticos, pinturas ou pneus, as nanopartículas, pouco a pouco, saem dos laboratórios de pesquisa. Tornando-se vetores de medicamentos ou princípios ativos de catalisadores, suas propriedades físico-químicas prometem a elas um futuro industrial radiante. Com uma condição: que o NanoEldorado não se transforme em um problema de saúde pública e ambiental de um novo gênero. Por exemplo, as nanopartículas poderiam ser encontradas na água. Para fazer face a esse risco, Pascal Guiraud, do "Laboratório de Engenharia de Sistemas Biológicos e Procedimentos" (LISBP), em Toulouse (França) e sua equipe acabam de propor um método capaz de eliminar as nanopartículas da água e dos líquidos, em colaboração com o Laboratório de Física e Química dos Nano-objetos (LPCNO), também de Toulouse. Um procedimento ainda em fase de desenvolvimento, mas já laureado com o prêmio de técnicas inovadoras para o ambiente, no Salão Nacional Pollutec, realizado em Lyon no final de 2008.

"A questão da nocividade dos produtos criados pelo homem se coloca raramente a priori", explica Pascal Guiraud. "E, geralmente, é após ter constatado sua presença no ambiente que se coloca a questão da despoluição. Mas, atualmente, a produção de nanopartículas tem aumentado muitíssimo. Esses novos objetos se encontram, por conseguinte, inevitavelmente nos resíduos industriais e domésticos, e mesmo nos recursos de água. Nosso programa visa a antecipar esse problema."

Para tanto, os cientistas fundaram seu trabalho em dois procedimentos clássicos, oriundos do tratamento de águas. Com o primeiro, as nanopartículas seriam capturadas por bolhas de ar que as arrastariam para a superfície. Esse procedimento poderia ser acoplado a um segundo, que consiste em fazer "coagular" as partículas presentes na água pelo acréscimo de agentes químicos: as partículas maiores assim formadas sedimentariam sendo evacuadas sob forma de lodo. "No caso de nanopartículas, a segunda opção utilizada necessita de quantidade bastante grande de produtos químicos e, portanto, não é muito interessante", detalha o pesquisador. "É por isso que nos encaminhamos para o desenvolvimento de um procedimento seja acoplado, seja exclusivamente à base de bolhas de ar."





Concepção assistida por computador de uma célula de tratamento de efluentes líquidos poluídos por nanopartículas.

Créditos: LISBP-LPCNO.


Le Journal du CNRS (www2.cnrs.fr/presse/journal/), edição de abril de 2009 (Tradução - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco