Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas
 
NOVIDADES

Confinar os nanotubos de carbono : essa é a recomendação.

Em parecer publicado em 7 de janeiro de 2009, o Alto Conselho da Saúde Pública (HCSP), da França, recomenda - em virtude do princípio de precaução -, que a produção e a utilização de nanotubos de carbono sejam efetuadas em "condições de confinamento estrito", a fim de proteger os trabalhadores e os pesquisadores.

O HCSP foi instado, em junho de 2008, pelo Diretor Geral da Saúde, a dar um parecer sobre a toxicidade dos nanotubos de carbono, em função da publicação de estudos recentes e do interesse sobre medidas de proteção aos trabalhadores.

Segundo o HCSP, esses estudos "sugerem a existência de um perigo carcinogênico potencial" dos nanotubos de carbono, semelhante àquele induzido por inalação de fibras de amianto, mas, entretanto, necessitam ser aprofundados por pesquisas complementares. O conjunto de estudos constitui, todavia, "um sinal de alerta maior, justificando a colocação de medidas de proteção dos utilizadores contra as exposições potenciais", sublinha o HCSP.





Estudo realizado por cientistas ingleses e americanos revelou o potencial carcinogênico de certos nanotubos de carbono.

Créditos: Cordis.



O HCSP recomenda, por conseguinte, aplicar os princípios de boas práticas definidos pela Agência Francesa de Segurança Sanitária do Ambiente e do Trabalho (Afsset), em seu relatório, de julho de 2008, sobre os riscos ao trabalho ligados aos nanomateriais e propõe ações de ajuste de situações de exposições e atividades de pesquisa.

Além disso, o HCSP deseja que os nanomateriais sejam, na França, objeto de uma declaração obrigatória e de uma obrigação de rotulagem, e ainda que as nanopartículas sejam submetidas, rapidamente, em escala européia, a um procedimento de registro e de avaliação, similar ao regulamento Reach.

Os nanotubos medem entre 1 e 100 nanômetros, estando presentes em numerosos objetos (componentes eletrônicos, pneus, artigos esportivos).

Journal de l'Environnement (JDL), 23 de janeiro, 2009 (Tradução/OLA).


Nota do Managing Editor: a ilustração não faz parte da notícia, originalmente veiculada pelo Journal de l'Environnement. Foi obtida no site da Cordis, da Comunidade Européia, em nota que também trata desse tema. Para ter acesso a esta notícia, clique no endereço: http://cordis.europa.eu/.


Assuntos Conexos:

Efeitos tóxicos dos nanotubos de carbono: pesquisadores optam por pru-dên-cia!


Nanotubos de carbono e Amianto: alguma coisa em comum? Sim ou Não?

Abordagens para um Trabalho Seguro com Nanotubos de Carbono.

Nanotubos "embebidos" com DNA menores que 200 nanômetros podem vir a apresentar riscos para a saúde.

Testes in vivo com nanotubos de carbono: primeiros resultados são encorajadores.


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco