Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Lançamento de uma consulta sobre o "Responsible NanoCode", um código de conduta para as empresas que atuam em Nanotecnologia.

Uma consulta sobre os sete princípios de um Código de Conduta - destinado às organizações ativas na área das nanotecnologias -, foi lançado pela Royal Society (Academia de Ciência britânica), no final de setembro de 2007. A proposição do Código, intitulado Responsible NanoCode, foi redigida por um Grupo de Trabalho estabelecido pela Royal Society, Insight Investment (Insight Investment, que pertence ao grupo HBOS, é um dos mais importantes gestores de fundos britânicos), a Nanotechnology Industries Association e a Nanotechnology KTN.

O objetivo do Código é estabelecer um consenso internacional sobre as boas práticas e indicar às organizações e às empresas o que podem fazer para demonstrar que geram, de modo responsável, as nanotecnologias, durante o período de avaliação de eventuais regulamentações complementares.





Logo do Responsible NanoCode.

Créditos: RNC



O grupo de trabalho espera que esse Código voluntário venha contribuir para assegurar que as nanotecnologias atinjam todo seu potencial e aportem benefícios em matéria de saúde, meio ambiente, benefícios sociais e econômicos, no momento em que as empresas são confrontadas com incertezas técnicas, sociais, regulamentares e comerciais, que dizem respeito às tecnologias relativamente novas.

Segundo Lord Selborne, presidente do Grupo de Trabalho e membro da Royal Society e do Comit


Os sete princípios propostos pelo código:

1. cada empresa deverá assegurar que seu Conselho de Administração ou seu Órgão Dirigente é responsável pela condução e gestão de suas atividades relacionadas às implicações das nanotecnologias;

2. cada empresa deverá engajar um diálogo com os autores da área das nanotecnologias e se mostrar receptiva às suas posições no que diz respeito ao desenvolvimento ou à utilização de produtos que se apropriam das nanotecnologias;

3. cada empresa deverá identificar e minimizar as fontes de risco para os empregados que manipulam produtos utilizando as nanotecnologias, em todos os estágios do processo de produção ou de sua utilização industrial, a fim de assegurar padrões elevados de segurança e de saúde no trabalho;

4. cada empresa deverá conduzir uma avaliação detalhada dos riscos e minimizar todos os riscos públicos potenciais de saúde, de segurança e meio ambiente, ligados a seus produtos, nos quais as nanotecnologias foram utilizadas;

5. cada empresa deverá responsabilizar-se e reagir a toda implicação e impacto, sociais ou éticos, do desenvolvimento ou da comercialização que utilizam as nanotecnologias;

6. cada empresa deverá adotar práticas responsáveis para a comercialização e o marketing de produtos que se valem das nanotecnologias;

7. cada organização deverá engajar um diálogo com seus fornecedores e/ou seus parceiros comerciais para encorajá-los e estimulá-los a que adotem o Código e assegurar, desta forma, a capacidade dos mesmos de cumprir os compromissos que eles próprios assumiram no âmbito do Código.


Um calendário se estabelecendo por 8 meses - junho de 2007 a fevereiro de 2008 -, foi proposto para desenvolver o Código, cuja proposição de texto está disponível em: http://www.responsiblenanocode.org/pages/progress/index.html. Na fase de consulta que acaba de abrir, o Grupo de Trabalho desejaria receber comentários da parte de um grande número de empresa e de indivíduos de todo o mundo. Seus atores poderiam, em particular, indicar se seriam susceptíveis de adotar tal Código, como poderiam ser encorajados a fazê-lo e como avaliar se aqueles que se engajam aderem efetivamente aos princípios do Código.

Nesse quadro, foram organizados eventos nos Estados Unidos e na Austrália e está sendo conduzido, via e-mail, um apelo a comentários internacionais. As empresas poderão submeter suas impressões ao Grupo de Trabalho.

O lançamento do Código definitivo está previsto para fevereiro de 2008.


A gênese do Código de boas práticas

Em novembro de 2006, a Royal Society, a empresa Insight Investiment e a Associação das Indústrias de Nanotecnologias (NIA - Nanotechnology Industries Association) exploraram juntos os impactos econômicos e sociais de incertezas técnicas, sociais e econômicas ligadas às nanotecnologias. As três organizações organizaram um workshop encarregado de estimular as empresas a que se interessassem pelas questões que dizem respeito ao desenvolvimento das nanotecnologias. O workshop reuniu 17 empresas européias com interesse comercial na área das nanotecnologias, indo das indústrias alimentar ou farmacêutica até aquelas de distribuição de produtos para a saúde ou produtos de moda.

Um dos principais resultados do workshop foi o acordo unânime sobre a necessidade de um Código de Conduta voluntário para as empresas implicadas com as nanotecnologias. O consenso era que um tal Código deveria ser fundado antes sobre princípios do que sobre padrões; ele seria desenvolvido em colaboração com os representantes de um grupo de empresas (incluindo a BASF, Unilever e Smith & Nephew) e uma grande gama de atores da área (incluindo organizações não-governamentais, como Practical Action, e grupos de consumidores, como Which?, sindicatos, como Amicus, ou grupos representantes do governo). A Royal Society, Insight Investment e NIA foram a seguir reagrupados pela Nanotechnology Knowledge Transfer Network (a rede de transferência de tecnologia de nanotecnologias), uma iniciativa sustentada pelo Department of Trade and Industry (DTI, o antigo Ministério do Comércio e da Indústria britânico).

Responsible NanoCode (www.responsiblenanocode.org) (Tradução/Texto - OLA).


Nota do Scientific Editor: veja mais sobre este assunto e correlatos em:
NanoRiscos, LQES NEWS - Ano VI - número 134, 01 de outubro de 2007.


<< voltar para novidades

 © 2001-2018 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco