Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas
 
NOVIDADES

Fazendo nanotubos de carbono mais seguros.

Peritos revelam à UPI´s NanoWorld que o antigo medo que se tinha sobre a toxicidade dos nanotubos de carbono pode ser minimizado pela modificação dos mesmos, o que os ajudará a passar seguramente pela corrente sangüínea.

Dizem eles: "nossos estudos demonstram que uma modificação adequada dessas estruturas poderá fazê-las biocompatíveis, tornando toleráveis os níveis de toxicidade". Segundo o pesquisador Kostas Kostarelos, expert farmacêutico em nanotecnologia, da University of London School of Pharmacy (Reino Unido), "isso abre automaticamente a porta para o desenvolvimento de nanoestruturas de carbono com bases farmacêuticas".

Enquanto os nanotubos de carbono têm chamado atenção por suas aplicações potenciais em eletrônica e compostos avançados de alta resistência, cientistas também vêm desenvolvendo trabalhos com os mesmos, para uso em terapias medicinais.




Representação esquemática de nanotubos.

Créditos: Centre for Drug Delivery Research - University of London (Reino Unido).


Por exemplo, Kostarelos e seus colaboradores na França e Itália descobriram que os nanotubos de carbono podem transferir o DNA para células. Informou o pesquisador terem também modificado nanotubos "com drogas anticancerígenas, como o metotrexato".

Porém, em experiências realizadas anteriormente, temia-se que os nanotubos de carbono pudessem ser tóxicos. Um exemplo disso é que, quando inalados, os nanotubos podem acumular-se nos pulmões, causando inflamações.

Kostarelos e seus colegas informam que nos estudos mais antigos envolvendo nanotubos notou-se que os mesmos não são solúveis em água, logo, não são compatíveis com qualquer tipo de fluido biológico ou tecido. Para transpor o obstáculo, desenvolveram nanotubos com superfícies quimicamente modificadas tornando-os, assim, solúveis em água.

United Press International (http://www.upi.com), consultado em 20 de março, 2006 (Tradução/Texto - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco