Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas

 
NOVIDADES

Fazendo nanotubos de carbono mais seguros.

Peritos revelam à UPI´s NanoWorld que o antigo medo que se tinha sobre a toxicidade dos nanotubos de carbono pode ser minimizado pela modificação dos mesmos, o que os ajudará a passar seguramente pela corrente sangüínea.

Dizem eles: "nossos estudos demonstram que uma modificação adequada dessas estruturas poderá fazê-las biocompatíveis, tornando toleráveis os níveis de toxicidade". Segundo o pesquisador Kostas Kostarelos, expert farmacêutico em nanotecnologia, da University of London School of Pharmacy (Reino Unido), "isso abre automaticamente a porta para o desenvolvimento de nanoestruturas de carbono com bases farmacêuticas".

Enquanto os nanotubos de carbono têm chamado atenção por suas aplicações potenciais em eletrônica e compostos avançados de alta resistência, cientistas também vêm desenvolvendo trabalhos com os mesmos, para uso em terapias medicinais.




Representação esquemática de nanotubos.

Créditos: Centre for Drug Delivery Research - University of London (Reino Unido).


Por exemplo, Kostarelos e seus colaboradores na França e Itália descobriram que os nanotubos de carbono podem transferir o DNA para células. Informou o pesquisador terem também modificado nanotubos "com drogas anticancerígenas, como o metotrexato".

Porém, em experiências realizadas anteriormente, temia-se que os nanotubos de carbono pudessem ser tóxicos. Um exemplo disso é que, quando inalados, os nanotubos podem acumular-se nos pulmões, causando inflamações.

Kostarelos e seus colegas informam que nos estudos mais antigos envolvendo nanotubos notou-se que os mesmos não são solúveis em água, logo, não são compatíveis com qualquer tipo de fluido biológico ou tecido. Para transpor o obstáculo, desenvolveram nanotubos com superfícies quimicamente modificadas tornando-os, assim, solúveis em água.

United Press International (http://www.upi.com), consultado em 20 de março, 2006 (Tradução/Texto - MIA).


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco