Laboratório de Química do Estado Sólido
 LQES NEWS  portfólio  em pauta | pontos de vista | vivência lqes | lqes cultural | lqes responde 
 o laboratório | projetos e pesquisa | bibliotecas lqes | publicações e teses | serviços técno-científicos | alunos e alumni 

LQES
lqes news
novidades de C&T&I e do LQES

2010

2009

2008

2007

2006

2005

2004

2003

2002

2001

LQES News anteriores

em foco

hot temas
 
NOVIDADES

Uma no cravo outra na ferradura : fulerenos poderão ser usados para inibir câncer de pele !

O fulereno, realmente, parece ser "a bola da vez!" Além de suas conhecidas propriedades de absorção da luz, outras propriedades permitem que se antevejam numerosas aplicações para esse material, em medicina e em ciências ambientais. De olho nessas possibilidades, a Vitamin C60 BioResearch Corp., que vem realizando pesquisas, juntamente com Nobuhiko Miwa, professor de biotecnologias da Universidade de Hiroshima (Japão), acabou por confirmar a utilidade dos fulerenos na inibição da proliferação dos cânceres de pele.

Diferentes moléculas de 60 átomos, ou mais, ajudam a compor a família dos fulerenos, formando uma estrutura tipo bola de futebol, medindo cerca de 0,7 nm. Os pesquisadores descobriram que injeções intravenosas de fulerenos dissolvidos na água reduzem, em cobaias (ratos), de até 85%, a expansão de melanomas.

A Vitamin C60 BioResearch, unidade de pesquisa sobre as nanotecnologias, da Mitsubishi Corp., e a equipe de pesquisadores, dirigida por Miwa, acreditam que poderão vir a comercializar, muito em breve, esse tratamento, e licenciar a produção para as empresas farmacêuticas interessadas.

Nihon Keizai Shimbun, April 07, 2004. (Tradução/Texto - MIA)


Veja também:

Peixes "sentem na pele" os efeitos da nanotecnologia.

Fulerenos garantem síntese de amoníaco mais barata.

O sumaneno vem aí! Sintetizado o mais novo derivado do fulereno.

Fulerenos já podem ser produzidos em grandes quantidades!

Não é que o silício dá também fulereno! Há alguém que duvide disso?

Mitsubishi se lança na produção de fulerenos de carbono.


<< voltar para novidades

 © 2001-2017 LQES - lqes@iqm.unicamp.br sobre o lqes | políticas | link o lqes | divulgação | fale conosco